29339316875_33b322d548_k_edited.jpg

2016

VERO

Em 2016 o Brasil sediou o principal evento esportivo do planeta, os Jogos Olímpicos e Deborah Colker tem a honra de ser a Diretora de Movimento responsável pela cerimônia de abertura. Alguns dos espetáculos da Cia de Dança Deborah Colker, notoriamente Rota e Velox trabalham com movimentos artísticos que remetem a prática esportiva como veículo para a liberdade expressiva e orgânica refletida no espírito olímpico.

 

Deborah resolveu juntar partes de Velox, espetáculo lançado em 1975 e Rota em 1997, dois dos maiores sucessos de público da Companhia, criando assim o espetáculo VeRo.

DÍNAMO

Dínamo, da Companhia de Dança Deborah Colker une dois trabalhos de energia: Velox, e Dínamo.

  

Em 1995, um ano após criar sua companhia no Rio de Janeiro,  Deborah Colker verteu parede em palco e colocou seus bailarinos para desafiar as leis da física.

 

“Juntar esses dois espetáculos é uma forma de fechar um ciclo que une esporte e dança no que existe em comum entre eles: a energia, o desafio, a superação através do corpo. São as duas, linguagens universais”, explica Deborah, sempre empenhada em explorar as capacidades infinitas do corpo e do movimento.

2006

DÍNAMO

1995

MIX

De um olhar europeu sobre a dança contemporânea

brasi­leira, nasceu Mix, espetáculo que promove a fusão de Vulcão e Velox, as duas primeiras criações da Companhia de Dança Deborah Colker. Em meio ao processo de curadoria da 6ª edição da Bienal da Dança de Lyon, dedicada ao Brasil, o francês Guy Darmet, diretor do evento, foi conferir os dois balés, encantou-se com ambos, e propôs à Deborah Colker que preparasse, espe­cialmente para o festival, uma espécie de medley deles.

 

Mixados com maestria pela coreógrafa carioca e sua afiada trupe de bailarinos, os sentimentos em estado bruto e de ebulição de Paixão, a ironia e a elegância de Desfile, as re­flexões em torno da física do movimento, esbo­çadas em Máqui­nas e desenvolvidas em Mecânica e Sonar, a babel de gestos e movimentos instau­rada em Coti­diano, e o eletrizante balé verticalizado de Al­pinismo culminaram em um ter­ceiro espetáculo, que se tornaria um dos clássicos da companhia e alavancaria sua projeção no cenário internacional.